> CASAPONTOCOME: O despertar de Portugal

domingo, 16 de setembro de 2012

O despertar de Portugal


Sinto agora uma coisa que nunca me lembro de verdadeiramente ter sentido nos últimos 30 anos: orgulho em ser portuguesa! Porque vi, com os meus próprios olhos, um despertar deste nosso povo, que pode ser sereno, mas não é parvo.

Finalmente, muitos de nós saíram de casa, apenas para mostrar a quem manda, afinal quem manda mesmo. Saímos para a rua, com alguma apreensão, com algum receio e uma secreta quase-certeza de que íamos ser poucos, mas afinal acordámos mesmo! Um mar de gente percorreu as ruas de Portugal a gritar, a fazer barulho, a mostrar que assim já não dá mais. Por cá, suportaram-se uns 34 graus de calor ardente, debaixo do sol da três da tarde. E ninguém arredou pé! Cada vez éramos mais e mais. No final, enchemos uma praça até perder de vista e ficámos a ouvir o que cada um, dos que quiseram falar, tinha para dizer. E eram os nossos desejos, as nossas angústias, de todos nós. Todos queremos o mesmo!

Não vi, à minha volta, partidos nem sindicatos, vi gente como eu. Novos, muito novos, velhos e muito velhos, com cartazes feitos em casa, à mão, sobre um pedaço de cartão ou de tecido, com cornetas e apitos, com uma grande saturação de quem foi aguentado tudo e agora explodiu. Cada um com sua queixa, mas todas no mesmo sentido: assim já não dá mais!

Quando a nossa voz se dilui com as vozes de milhares, ganha uma força e uma dimensão verdadeiramente assustadora. As palavras de ordem estão velhas e destreinadas, já quase ninguém sabe a letra do “Grândola, vila morena” até ao fim, mas o hino foi cantado com emoção e sem erros, até sentir a garganta a fechar, por ver que afinal ainda estamos vivos.

Um homem, do alto dos seus 60 anos, ao meu lado, disse para a mulher: “Vês? Vês como o pobre pode muito, afinal?” E eu sorri e pensei Podemos sim! Podemos tudo! 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Procurar, aqui na casa